Translation

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Falar Jogos IV

Como produtoras ou apenas distribuidoras as empresas de jogos acabam por ganhar ou perder fãs conforme aquilo que vão lançado ao longo dos anos.


Como já falei antes, adoro a SEGA como empresa que produz jogos mas também gostava das suas consolas. Além desta também gosto de jogos da Atari (não consola mas jogos como Driver ou V-Rally 3), Konami (pes e iss basicamente), Rockstar que nem precisa de apresentação, Infogrames, Codemasters, Accolade (produtora dos antigos Test Drive), Polyphony Digital e EA Sports com os seus grandes títulos de desporto.
Muitas destas sei que são odiadas por muitos mas definitivamente não seria isso que me tiraria a vontade de jogar algo que gosto.

Mais um episódio do "let's play" de Resistance


Continua nas instalações da ala norte em busca do tal "Anjo" que supostamente é uma entidade superior que controla todos os quimerianos e que também está a afectar a nossa personagem.
A ver se é amanhã que terminámos as instalações e temos o tal encontro cara-a-cara com o tal bicharoco feio.

Consolas - Pandora

Em 2008 uma empresa chamada OpenPandora estreou-se no mercado das consolas portáteis com a Pandora, esta aproveitava uma biblioteca de recursos livres (opensource) e era até mais um PDA do que sistema de jogos.

O sistema da Pandora é em Linux e trazia instalado, tal como a Dingoo, um sistema de emuladores que permitia jogar Dreamcast, Nintendo 64, Amiga, Super Nintendo, Mega Drive, Playstation 1 e Atari Jaguar.


A consola tinha 512 MB de memória e suportava dois cartões SD, bem como memória externa até 128 GB, no entanto sempre se debateu com as más vendas e até Dezembro de 2012 apenas foram vendidas 6000 unidades.

Amanhã: Xperia Play

Fuga à "linha d'água"

Foi provavelmente o final de época mais complicado que já tive no comando técnico de uma equipa no Football Manager mas como sempre lá descobri a táctica ganhadora.


Quando ingressei no Ado Den Haag estes encontravam-se enterrados no último lugar da tabela e só conseguiria pontuar no terceiro encontro ao comando técnico da equipa, seguiram-se uma serie de derrotas com o Ajax, Feyenoord, Twente e PSV, colocando-nos ainda mais no fundo da tabela. No último jogo da época saímos da "linha d'água" e mesmo assim só porque conseguimos três fantásticas vitórias, muito graças à entrada de dois reforços a custo zero, Kerlon e Luis Aguiar (sim, o que jogou no FC Porto, SC Braga e Sporting CP).


Entretanto já comecei a preparar o plantel para a próxima época e consegui mesmo assinar com nomes como Didier Zokora, Ben Saada, Nick De Jong, André Bahia e Demy de Zeeuw.

Pesquisar neste blogue